Em 1962, os projetistas e engenheiros da Lancia foram instruídos a desenvolver um novo cupê com as condições necessárias para usar o maior número possível de partes da berlina (incluindo a planta baixa) e que o conceito atraísse um grande público. Existem várias coisas notáveis ​​nesta última frase. Em primeiro lugar a idéia de um cupê e também o desenvolvimento tinha começado antes da introdução do berlina. Então o cupê foi projetado pelos designers da própria Lancia, enquanto era comum os coachbuilders projetarem as edições especiais (coupes). E a condição que o cupê teve de atrair um grande público nos diz que ele não era um construtor de imagens (como muitos outros cupês), mas que tinha que ser um verdadeiro carro de motorista.
 
Em 1965, o cupê Fulvia teve sua primeira aparição pública no Salão de Turim. Embora o design tenha sido único em aparência e eficiência, o desempenho foi um pouco manso. O motor da berlina 2C foi aumentado para 1.216cc e 80bhp, não o suficiente para torná-lo um verdadeiro velocista. Mas o público adorou e o desempenho viria com o tempo.
 
Fulvia engine Logo após a introdução do Fulvia nasceu o primeiro HF. Ainda com um motor 1.2, mas ajustado para 88bhp. Deixando todo o material não essencial fora do interior, o peso deste carro poderia ser limitado a 825. A combinação de mais poder e menos peso fez este carro satisfatório para competir e reagrupar. A partir de 1967, houve um motor ligeiramente maior de 1.231cc, mas com a mesma potência (80bhp). No mesmo ano, o motor cresceu novamente e se tornou 1.298cc. Este foi o básico para os motores utilizados em todos os futuros Fulvias (exceto para o 1.6 HF). O primeiro carro equipado com este motor foi o 1.3 Rallye. Tinha o mesmo equipamento que os primeiros coupes, mas com o novo motor e 87 cv. Com base neste carro, o novo HF foi desenvolvido. Ele tinha o mesmo motor 1.3, mas agora com 101bhp. A maioria desses carros era feita sob medida e preparada para o rally.


 
Como uma homenagem aos carros de rali, o 1.3S Rallye ficou disponível. O motor 1.3 possuía 90cv e possuía portas de alumínio, capota e iluminação de inicialização. Finalmente, em 1968, o rápido e famoso 1.6 HF foi introduzido. Exceto pelo bodyshell, quase tudo era diferente do que o normal Fulvias. Este carro foi desenvolvido especialmente para as corridas vencedoras e era exatamente isso que ele faria! O carro pode ser encomendado com um motor de 115 cv ou com um motor de 132 Cv.


 

No ano de 1969 toda a linha de Fulvias recebe uma revisão, e a partir daí falamos sobre a segunda série. A partir de agora todos os tipos (berlina e cupê) possuem o motor 1.3. Além disso, as principais mudanças são: Outra grade com faróis ligeiramente diferentes, painel ligeiramente diferente com novos medidores e novos botões, caixa de cinco marchas, novo tipo de freio a disco, uma embreagem de diafragma, molas mais duras, um alternador, um ventilador operado eletricamente e refrigerador de óleo foi descartado. O 1.6 HF ficou disponível ao lado das versões 1.3S. Eventualmente o 1.6 ficou disponível como 1.6 HF Lusso. Tinha o mesmo equipamento que as versões 1.3S (incluindo os pára-choques), mas com os 115cv do motor 1.6. Em 1972 a produção do 1.6 HF Lusso parou. Para manter um modelo esportivo disponível, a versão Monte Carlo foi lançada em 1973. Foi uma homenagem aos carros de rally que venceram naquele ano o Rally de Monte Carlo e não tinha pára-choques, capota preta, luzes extras e placa Rallye Monte Carlo. Mas tinha o motor 1.3S e não é muito exportado. Lancia Fulvia Coupe 1.2

 

Lancia Fulvia Coupe 1.3 HF Em 1974 saiu a terceira série. As mudanças foram principalmente no interior, como novos instrumentos e um novo volante. Um novo lote de Monte Carlos foi produzido e como edição especial o Safari saiu. Tinha o motor 1.3S, mas não tinha pára-choques e jantes de liga leve exclusivas. Em 1976 o último cupê de Fulvia foi produzido.

Pin It

Angra do Heroísmo

Ilha Terceira

Notícias Regionais

Economia

Startups

Outras Notícias

Cultura

Saúde

Sociedade

Tecnologia

Motores

Tecnologia